Buscar
  • Comunicação CDL Itaúna

Comércio online: como e quando implementar o delivery e o frete grátis



Pesquisa sobre o consumo online no Brasil mostra que o frete grátis de produtos e o delivery de comida impulsionaram as compras na internet, durante a pandemia da covid-19. De acordo com levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com a Offer Wise Pesquisas, a “comida por delivery” foi a categoria do comércio eletrônico que mais cresceu. Os percentuais de 2021 quase dobraram em relação aos de 2019, passando de 30% para 55%.


Divulgado este mês, o estudo aponta que o consumidor está atento a melhores condições de compra: a opção de frete grátis é o fator mais citado para a escolha de uma loja online, com 45% das menções. Preços baixos (44%) e promoções (39%) fecham os fatores mais relevantes para a escolha do site/app.


“O consumidor está cada vez mais atento às melhores condições de compra e o varejista precisa investir nesse tipo de estratégia. Frete grátis é sempre um fator de grande importância na hora de se efetivar a compra, assim como promoções e a reputação da loja”, afirma José César da Costa, presidente da CNDL.


Baixe a pesquisa Consumo Online no Brasil.


Confira algumas dicas para implementar o delivery e o frete grátis e também saber se valem a pena para a sua loja:


Delivery

A entrega é serviço básico em qualquer e-commerce. No entanto, a pandemia exigiu que varejos físicos também tivessem que recorrer ao delivery para se manter ativos. Mas antes de se aventurar nesta seara, verifique alguns pontos de atenção:


– Meio de entrega: há aplicativos dedicados à entrega de mercadorias de forma geral, como o “Eu Entrego”, Loggi, Lalamove e até o Rappi. Os negócios pequenos também podem realizar as entregas por conta própria, dependendo do produto e da distância. Lembre-se de avaliar e comparar as taxas dos serviços, antes de fazer qualquer escolha.


– Meios de pagamento: considere as taxas e condições envolvidas em transações por plataformas de pagamento e avalie os prazos de recebimento, que podem ser maiores ou menores, a depender do site/app ou até do contrato. Se optar por pagamento em dinheiro ou pela maquininha de cartão, adote medidas de higienização do aparelho, que também vale para as mercadorias e demais processos.


– Nota fiscal e comprovante de recebimento: a nota fiscal do produto deve acompanhá-lo e, para confirmar que o cliente recebeu a encomenda, solicite que o entregador devolva o recibo assinado, o que pode ser feito até por uma foto encaminhada pelo WhatsApp.


– Direito ao arrependimento: segundo o Código de Defesa do Consumidor, o cliente tem direito à devolução de itens comprados online em até sete dias – o chamado direito de arrependimento. Neste caso, a loja não pode cobrar o frete do cliente e fica responsável pela logística reversa.


Frete grátis

Para lojas de pequeno porte, não cobrar o frete do cliente pode representar uma drástica redução nas margens de lucro. Por outro lado, se ele for embutido no preço dos produtos, o aumento pode espantar os clientes. Portanto, antes de qualquer coisa, confira as dicas:


– Quando implementar o frete grátis:

1) Se o objetivo é elevar as vendas de um determinado produto ou categoria, você pode oferecer o frete grátis apenas para alguns itens. 2) Agora, se quer atrair mais visitantes para a loja, pode oferecer frete grátis para todos os produtos durante um dia, por exemplo. 3) Para aumentar o volume de compras no carrinho do cliente, você pode oferecer o frete grátis mediante a aquisição de produtos relacionados ou a partir de um valor mínimo de compras. 4) Se a meta for fidelizar os clientes, o melhor é oferecer frete grátis para compras recorrentes ou fazer um programa de fidelidade, com acúmulo de pontos que podem ser trocados pela isenção de frete.


– Entenda suas margens: para definir se é possível absorver este custo sem prejuízo, avalie a margem de lucro de cada produto.


– Peso e dimensão: o peso e as dimensões de cada produto também devem ser considerados, pois impactam diretamente no custo de frete.


– Ticket médio: para avaliar quando vale a pena oferecer o frete grátis, verifique o gasto médio dos clientes. Se for R$ 50, por exemplo, pode oferecer frete grátis a partir de R$ 70, elevando com isso o ticket médio da loja.


– Localização dos clientes: faça um mapeando de onde está seu maior número de clientes e qual é o frete médio para esta localidade. Isso te permitirá calcular o custo médio do frete que terá que absorver, bem como definir os locais os quais compensa oferecer o benefício.


Logística reversa: não se esqueça de incluir nesta conta os custos da logística reversa, ou seja, esteja preparado para as solicitações de devolução de produtos.


Concorrência: acompanhe as estratégias e preços dos concorrentes. O consumidor sempre vai comparar sua oferta com a do concorrente.


Com informações da Revista PEGN e do UOL Meu Negócio.


FONTE: Varejo SA

4 visualizações0 comentário