Buscar
  • Comunicação CDL Itaúna

Com inovação, empresas crescem em plena pandemia

Conheça a história de três empresas que se reiventaram para enfrentar a crise do coronavírus



A pandemia do coronavírus obrigou as empresas de micro e pequeno porte a se reinventarem, no último ano, para manter o negócio vivo e lucrativo. Com as portas das lojas físicas fechadas, por conta do isolamento e das restrições de circulação de pessoas nos munícipios brasileiros, os empreendedores precisaram ir além, com muita resiliência, estratégia, perfil inovador e ação.


E é claro que, neste cenário, as palavras de ordem têm sido e-commerce, redes sociais e delivery. Para fazer negócio, o lojista teve que ir até o cliente, sobretudo pelas redes sociais, com produtos cada vez mais alinhado ao perfil, necessidades e desejos do consumidor.


Para inspirar o leitor da Varejo SA, separamos três histórias de empreendimentos que se reinventaram com a pandemia da Covid-19:


Novos modelos de franquias

Os três sócios da Bubble Mix Tea, rede de franquias pioneira no preparo da bebida taiwanesa Bubble Tea (chá de bolhas, em tradução livre) aqui no Brasil, se viram em uma situação delicada em 2020: as lojas da rede ficavam dentro de shoppings e galerias, e tiveram que fechar com o agravamento da crise do Covid-19. A solução foi inovar com a criação de dois novos modelos de franquia: o To Go e o Express.


O primeiro é uma microfranquia instalada na rua e operada por uma ou duas pessoas no sistema Take Away, com isso, os alimentos são produzidos rapidamente e não são consumidos no local, evitando aglomeração e, portanto, a disseminação do coronavírus.

Já o modelo Express é uma nanofranquia, idealizada para ser uma operação reduzida da Bubble Mix Tea dentro de um estabelecimento já existente. “Muitos negócios que sofreram com a pandemia estão buscando se reinventar, otimizar o portfólio e ter novos produtos, para melhorar a rentabilidade. Nesses casos, a nossa bebida é uma ótima opção, por ser um produto diferenciado, em um mercado em ascensão”, explica o sócio da rede Rodrigo Balotin.


Criada em 2014 por Balotin, Rogério Teixeira e Alex Lin, a Bubble Mix Tea é especializada no preparo da bebida taiwanesa que combina chás ou café com diversos tipos de ingredientes, como essências de frutas, aromas, creme, pérolas de tapioca, poppings e Jellys.


Antes da pandemia, a Bubble Mix Tea contava com 25 franquias, mas com a quarentena, esse número chegou a 23. Com a inserção dos dois novos modelos, a marca fechou 2020 com 28 unidades. Atualmente, conta com 31 lojas abertas em 11 Estados, e a previsão é de mais 20 novas unidades até o meio do ano.


O e-commerce também ajudou a empresa a passar pela crise. Atualmente, a loja online representa 5% do faturamento da rede, sem falar que é uma vitrine para os produtos da marca, atraindo novos clientes. O franqueador ainda incluiu em seu portfólio novos produtos, como o “kit Bubble Mix”, possibilitando que os clientes comprem os insumos para fazer as bebidas taiwannesas em casa.


Diversificação da produção

Com 21 anos de experiências no comércio, a empreendedora Millena Lopes, dona da Vestido de Chita, também se viu obrigada a inovar com a crise do Covid-19. Há cinco anos no mercado, a empresa já nasceu com raízes fortes na internet – já tinha boa capilaridade nas redes sociais e contava com um blog para servir de vitrine para os produtos da confecção. Por isso, com a pandemia e a loja física fechada, o caminho natural foi o e-commerce. Hoje, tem um site para vendas online e um site para revenda, entregando produtos para todo o país, com vendas no atacado e varejo.


No entanto, a loja eletrônica não foi a grande inovação do negócio de moda feminina, que valoriza a liberdade das mulheres e as diferentes fases pelas quais elas passam. Com coragem, Millena Lopes resolveu investir e testar novos produtos. A loja, que antes só produzia vestidos e macacões, passou a diversificar sua produção, começando pelas máscaras e, depois, com os pijamas. “Com a pandemia, percebi que as pessoas estavam buscando roupas mais confortáveis. Então, pensei em modelar pijamas estilo americano para testar”, explica.


O resultado foi surpreendente: a empresária vendeu todo o estoque em dois dias e agosto foi o melhor mês de vendas da Vestido de Chita nos últimos 20 meses. “Eu resetei o meu negócio e consegui meu melhor resultado em 20 meses. Estudei bastante, fiz muitos testes, cometi alguns erros e tive muitos acertos. E continuo fazendo muitos testes”, conta.


O poder da loja online

A Gazin Semijoias também se surpreendeu com o poder do comércio eletrônico. Antes da pandemia, suas vendas eram realizadas exclusivamente no ponto físico. Com o início da quarentena, no ano passado, o empreendimento se viu obrigado a apostar nas vendas online. A alternativa deu tão certo que a empresa contabilizou um aumento de 12% em seu faturamento do primeiro semestre de 2020. Apenas nos primeiros seis meses do ano, venderam 1 milhão e 400 mil peças, ultrapassando a meta de 1 milhão e 250 mil estipulada para o período.


Com informações do Sebrae.


FONTE: Varejo SA

7 visualizações0 comentário
Acompanhe nossas Redes Sociais:
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube